sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Novidades ou talvez não


Pá... Há meses que não ponho os pés (ou as mãos...) aqui no blog, isto até já tem teias de aranha!
É verdade que o tempo não é muito e as novidades também não.
Por aqui continua-se a trabalhar imenso, com uma boa novidade (que muitos já sabem): O Roger arranjou finalmente trabalho, como project leader na CCI Valves Switzerland. E pronto há mais de um mês que para lá anda e está muito feliz! E eu também :)
A trabalhar que nem uma doida andei também eu nos últimos meses, mas agora em Agosto, com a malta toda em férias, e Ramadão, e casamentos e afins... a coisa está um pouco paradita, pelo que há tempo para umas curtas visitas ao mundo da web.
Por falar em férias, também nós tivemos direito a duas semaninhas em Portugal, e quase posso dizer que regressei pior do que fui. Para além de não ter tido tempo (nem vontade) para noitadas e jantaradas, passei mais tempo no hospital do que na praia, recebi más notícias, e nem sequer consegui abraçar todos aqueles que queria. E aqui tenho mesmo que pedir desculpa os meus queridos amigos e familiares mais chegados, que não receberam a atenção merecida (ou nenhuma), mas eu realmente não consegui conjugar nem o tempo, nem a minha disposição para nada.
Regressada ao país do tempo ruim, resta-me concentrar as energias no trabalho e esquecer cada vez que o telefone toca, o facto de que poderei ter de voltar a Portugal em breve, por razões menos agradáveis.
O lado positivo de voltar à Suiça pode ser descrito em qualquer coisa como um 'regressar à civilização', sim porque eu bem gosto e me desgrenho pelo meu país, mas é um facto que Portugal está uma selva. A frustração e infelicidade do povo está espelhada na cara de cada pessoa que encontramos na rua e já ninguém é indiferente à crise, como há uns tempos atrás. A raiva e a impotência são transparentes no condutor impaciente da fila de trânsito, na funcionária entediada do balcão dos serviços, no empregado de mesa que só está ali para sustentar a família. E em todos os outros que por lá andam, sem emprego e sem uma saída à vista. Não posso evitar ficar triste, porque Portugal há-de ser sempre o meu lugar preferido no mundo. Mas também não me posso esquecer que para poder ter uma vida, tive que vir embora.
Bem, isto hoje está a ficar mesmo deprimente, quem me manda vir para aqui escrever com esta melancolia de sexta-feira-pós-férias?
Vou ver se mais logo ponho aqui umas fotos lá de casa.
Um grande xi <3 a todos, em especial àqueles especiais :)